segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Todas as noites!



Todas as noites antes de dormir me perco em pensamentos, e toda noite crio e destruo teorias de como ser e agir.

quinta-feira, 21 de março de 2013

InFiNiDaDe



      Toda noite me lembro de todas essas dificuldades, toda noite penso no que vivemos, em todos esses problemas que vem e vão e resolvemos e da maneira como é possível continuar junto, mesmo com tantas diferenças. Na verdade não se pode escolher tudo o que se vive, na verdade não se escolhe quase nada, existe um universo inteiro acontecendo indiferente ao que acontece comigo com a gente. Ainda sim, com todas essas colisões cósmicas, todos esses planetas e estrelas brilhantes explodindo, toda essa infinidade, tento melhorar o que vivo com você, mas não posso criar sentimentos onde não existem, e também não posso descria-los. Eles também são indiferentes a minha vontade.

      Tudo bem... na verdade pouco importa mesmo, se a estrela que olho com você em uma noite sem nuvens já não existe mais, se o que vemos é só brilho de algo que já não existe, não importa porque nesse momento a estrela que me importa está em meus braços e já não importa se tem nuvens ou não o que importa é que seu brilho é mais do que suficiente para me aquecer.

quinta-feira, 21 de fevereiro de 2013

não passo de um sonhador!



Quando minhas ilusões vão além daquilo que deviam, quando as encaro como reais, o universo sempre tem um jeito nada sútil de me mostrar que não passo de um sonhador!
Quando um olhar diz tudo, e quando tudo significa nada, quando esse olhar esta carregado de tudo aquilo que não pode ser, sonhos são estilhaçados e se transformam em cacos de vidro que só fazem cortar, só fazem machucar.
Quando o momento mais tranquilo que você tem é o sono, e quando esse sono não é o seu, o pânico aumenta, e as paredes do quarto se transformam em prisão e a mente se transforma em uma batalha entre pensamentos incoerentes.

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

Bolha de sabão!!



Ouvi sábios falando com preconceito e ignorância, e ouvi ignorantes falando com sabedoria sobre liberdade. Cansei-me! 

Parei de ouvir os sábios e
os ignorantes, passei a ouvir a todos os homens, e agora dou crédito somente aquilo que me ilumina a alma, acalma o coração e sacia minha sede de saber. 

Aprendi que entre o silencio e o falar, existem mil respostas e milhões de perguntas, aprendi que o saber pode vir de todos e de ninguém, pois não existem sábios nem ignorantes para aquele que sabe ouvir.

 Enfim, aprendi que entre o ruído e a música existem apenas convenções.

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

tenho sempre de mais



Tenho que amadurecer tenho tanto a aprender a fazer.



Sempre cometo os mesmos erros sem perceber antes que seja tarde de mais.



Quem sou? Quem?



Quem gostaria de ser?



Por que estou escrevendo?



Por que deixo registrado aqui minha confusão?



Por que tenho estas perguntas?



E porque nunca sei qual “porquê” devo usar?



O que procuram meus dedos quando tocam essas teclas?



Será dizer aquilo que meus lábios não ousam ou será expressar aquilo que minha mente não entende?



Quanto tempo vou viver neste ciclo maniqueísta?      Quanto tempo perderei de minha vida voltando sempre ao mesmo ponto, quando irei realmente aprender e transcender?



Quando vou parar de pensar em fazer e realmente começar a fazer?



Quando deixarei de lado minhas certezas?



Quando deixarei de lado minhas inseguranças?



Quando colocarei em prática aquilo em que acredito?



Para todas as perguntas existe uma resposta possível.



Eu bem sei qual é, mas tenho vergonha de registrá-la e depois ler.



Mas se não o fizer o quão grande pode ficar esse monstro?



Eu pretendia escrever medo.



Mas não é medo é outra coisa, e eu sei bem o que é.



Mas ainda não tenho coragem de registrar....