terça-feira, 11 de setembro de 2012

_



Que confusão, que enorme confusão.
Sinto-me assim agora.
Ao ler, ao tentar entender perdi algumas vidas, mas entendi.
Entendi que não tenho como entender tudo, não tenho como saber tudo, entendi como isso me machuca, como isso me deixa inseguro.
E não sei se consigo falar abertamente, na verdade tenho outros lugares onde postar sem ser reconhecido, onde ninguém saberia que era eu. Mas que injusto isso seria.
Às vezes me assusto quando esse tipo de percepção acontece, não sei explicar, as ligações acontecem e de repente tudo parece tão claro tão simples.
É engraçado pensar que também chorei quando terminei de ler os textos, quando entendi.
Culpado. Assumo isso, e sei bem que sou meu maior acusador.
Entre tantos defeitos talvez o mais perturbador seja o de ser sincero.
Mas é estranho pensar que conversaram, e mais ainda é a possibilidade de que estejam se entendendo.
Medo?     ...Sim, mas feliz seria mais adequado.
Não quis causar dor a ninguém, claro houve um tempo em que tentei buscar algum entendimento entre vocês, sei bem que era complicado e sei também que mesmo agora ele é tímido, velado.
Mas falei e repeti tantas vezes, o quanto eram parecidas. Claro que não me ouviram, como poderiam? Como fui ingênuo.
Mas não me arrependo de quase nada, a não ser de não ter falado “eu te amo” quando devia, teria sido sincero. Mas não cometi esse erro de novo. E agora é tão sincero.
Penso em quem sou nessa história, em quem deveria ser, fico lendo e relendo e não me vejo como o ator principal, meu papel mas parece de um coadjuvante. Sinto meu orgulho ferir-se com isso. Mas isso é bom, sei bem o quanto o orgulho machuca e afasta.
E agora relendo o que escrevi, fiquei pensando se deveria mesmo postar, se deveria entrar em cena, talvez fosse o certo apagar tudo, pois bem sei que não é sobre mim, mesmo que esteja envolvido diretamente em tudo, dessa vez não é sobre mim. E tudo indica que deveria ficar “calado”, mas não posso. Se não escrever agora se não colocar pra fora, sei que isso vai esbordar na hora errada e mais uma vez vou me machucar e machucar a outros.
Tenho que falar abertamente o que sinto, e sinceramente sinto que teria feito tudo de novo mesmo sabendo das lágrimas e da dor. E isso vale para todos, não houveram “santos” nem vilões nessa história, todos entendiam o que estava acontecendo e todos foram muito egoístas, e ainda assim aprendemos e amadurecemos.
Talvez devesse me desculpar por ter escrito tudo isso, mas não vou. A verdade é que estou feliz por ter esbordado esses sentimentos aqui. E mais feliz ainda pela simples possibilidade de terem conversado e de estarem se sentindo melhor.
Sinto a necessidade de registrar que estou sorrindo agora. E talvez seja meio bobo expressar isso, mas: MUITO OBRIGADO POR TUDO.