quarta-feira, 29 de junho de 2011

EU

EU
Eu cai, cai do cavalo, fui atingido por uma flecha sem nome e não foi a do cupido. Pensei em coisas que não devia pensar, pulei sem para quedas, senti-me tão pequeno como um pássaro com medo de voar.
E essa flecha, a flecha do destino me derrubou, e cabe a mim me levantar. Descobri que não sou herói (nunca fui),  aprendi que a vida são altos e baixos e que quando se tem mais baixos os altos são mais glorificantes, e que quando se tem mais altos os baixos são mais arrasadores, como uma bomba atômica.
Com os olhos cheios de lágrimas procurei um nome para aclamar....      ....não encontrei!
Senti-me vazio.
Mas eu quero viver quero correr, sem me importar com o julgamento alheio, hoje me libertei das minhas ilusões correntes que me prendiam ao mundo de faz de conta. Não quero ir contra a vida quero andar ao lado dela, e pelos deuses fazer as coisas certas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário